SEJA BEM VINDO A ARTCAMARGO

Vendas: (11) 3224-5460

Vamos Aprender a Desenhar Mangá

Disponível: Em estoque

R$39,00
OPÇÕES DE PARCELAMENTO COM CARTÃO DE CRÉDITO
Nº de Parcelas
  • 2x sem juros
  • 3x sem juros
Valor da Parcela
  • R$19,50
  • R$13,00

Descrição Rápida

VAMOS APRENDER A DESENHAR MANGÁ
Editora Criativo
ISBN 978-85-8258-033-2
Formato: 17 x 24 cm, lombada quadrada
96 páginas

Vamos Aprender a Desenhar Mangá

Duplo clique para aumentar/diminuir imagem

Reduzir
Aumentar

Mais Imagens

  • Vamos Aprender a Desenhar Mangá
  • Vamos Aprender a Desenhar Mangá
  • Vamos Aprender a Desenhar Mangá

Detalhes

Nos anos 80, na época em que o mangá começava a se nacionalizar no Brasil, houve o encontro de dois pioneiros do nosso mangá, Neide Harue, desenhista, e Ataíde Braz, roteirista, que formaram uma parceria produtiva, realizando trabalhos que até hoje são referências de qualidade do quadrinho brasileiro. Vamos Aprender a Desenhar Mangá é um dos raros livros voltados para a arte-educação que contempla as duas partes do desenho de quadrinhos que se completam: a arte e o roteiro. A Criativo convidou Neide e Ataíde para, mais uma vez juntos, planejaram um livro por meio do qual passam um pouco de sua vasta experiência na arte de roteirizar e desenhar mangás. SOBRE OS AUTORES Neide Harue nasceu em 1956. É considerada uma das primeiras quadrinhistas femininas no Brasil. Profissionalmente, Neide iniciou sua carreira em 1986, publicando histórias no estilo mangá; seu trabalho mais conhecido é Drácula, A Sombra da Noite, que teve mais de 350 páginas, feito em parceria com o roteirista Ataíde Braz. Desenhou também álbuns que continuam sendo publicados na Holanda e Bélgica, além de inúmeras revistas de atividades para o segmento infantil de editoras nacionais. Ataíde Braz nasceu em 1955, em Pernambuco. Iniciou sua carreira em HQs na revista Spektro da editora Vecchi, do Rio de Janeiro, em 1978. Depois, Ataíde veio a conhecer o quadrinhista Sebastião Seabra durante uma palestra no SENAC; então, Ataíde e Roberto Kussumoto, artista que havia quadrinizado alguns de seus trabalhos, ficaram sabendo por Seabra que a editora Grafipar, de Curitiba, estava iniciando a publicação de quadrinhos eróticos em revistas masculinas. Ataíde, Kussumoto e Seabra passaram a publicar regularmente na Grafipar, em um dos ciclos mais produtivos do quadrinho nacional. Alguns anos depois, com o fim da Grafipar, Ataíde passou a publicar em editoras diversas, como Nova Sampa, Escala e Opera Graphica.

Informação Adicional

Marca EDITORA CRIATIVO